Maria Ribeiro is a photographer, graduated in Audiovisual and specialized photography direction by the International Academy of Cinema – Brazil. After working in the advertising market and undestanding how the woman’s image is presented in the media, she dedicated herself to photography as an instrument of female empowerment through natural artistic and image manipulation-fee shooting. She believes that representativeness is essential in building a healthy relationship between women and their own bodies and consequently with themselves in different aspects of life.

Within this concept, created the project “We, Madalenas – A word for feminism” in which she photographed a hundred women of different bodies, colors and contexts with the word that represents feminism for each one written on theis bodies. The project has become a book that brings, in addition to the images a testimony in the first person where each participant shares his own story.

Besides, Maria Ribeiro realizes documentary projects rescuing the history of the specific groups in Brazil, like sertanejas, quilombolas and indigenous women. In 2016 she was selected by UN Women to present her work at the CSW and the Youth Feminism Forum in New York for it’s the relevance to the empowerment of women in her field of action.

Maria Ribeiro é fotógrafa, graduada em Audiovisual e especializada em direção de fotografia pela Academia Internacional de Cinema – SP. Após atuar no mercado publicitário e compreender como a imagem da mulher é apresentada na mídia, dedicou-se à fotografia como instrumento de empoderamento feminino através de ensaios naturais, artísticos e isentos de manipulação de imagens. Acredita que a representatividade é essencial na construção de uma relação saudável da mluher com o próprio corpo e, consequentemente, com ela mesma em diversos aspectos da vida.

Dentro desse conceito, criou o projeto “Nós Madalenas – Uma palavra pelo feminismo” no qual fotografou cem mulheres de diferentes corpos, cores e contextos com a palavra que representa o feminismo para cada uma estampada em seus corpos. O projeto tornou-se um livro que traz, além das imagens, um depoimento em primeira pessoa onde cada uma das participantes compartilha sua própria história

Além dos ensaios, Maria Ribeiro realiza projetos documentais resgatando a história das mulheres sertanejas, quilombolas e indígenas. Em 2016 foi selecionada pela ONU Mulheres para apresentar seu trabalho no CSW e no Youth Feminism Forum em Nova York para relevância do mesmo para o empoderamento da mulher dentro da sua esfera de atuação.